25 outubro 2014

Histórias do Anoitecer VII




A certeza de que tudo muda sempre para o que é melhor em cada momento da vida. Há investidas e recuos mas, se houver paciência, tudo pode acontecer. Procuramos uma satisfação que nunca se pode atingir. Cada conquista demonstra-nos que o que queremos é diferente. Aprendemos a relativizar, a tolerar, a aceitar que não há uma meta, mas muitas vontades sucessivas de nos sentirmos seres importantes para nós e, quiçá, para os outros.

Hoje, procuro as grandes sínteses, e enterneço-me com as pequenas histórias. Tornou-se impossível ler todos os clássicos, todos os melhores escritores, cientistas e filósofos de cada país, assistir a todos os filmes, peças de teatro, espetáculos de todo o tipo. Resta-nos criar um portefólio pessoal, que possa contribuir para sermos melhores pessoas, e que permita que possamos dialogar com os outros. Podemos ser condicionados pelos media e pelos grupos de referência, mas, se quisermos, podemos procurar todas as expressões mais raras, menos publicitadas, mais marginais.

E todo o poder, toda a informação e conhecimento se rendem a um beijo de amor.

3 comentários:

Anónimo disse...

Melhores pessoas, com um simples beijo de amor.

Fá menor disse...

E há que saber apreciar sempre as pequenas coisas, os pequenos momentos.

Beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

que texto tão sereno e verdadeiro.

obrigada!

:)